Teatro Oi Casa Grande
< >

{titulo}

LEON “KID CHOCOLATE” BROWN & 504 EXPERIENCE

Conhecido como a “personificação do jazz”, Louis Armstrong é um dos músicos mais carismáticos e conhecidos no mundo. Seu estilo e voz são inconfundíveis e vão muito além do gênero que ajudou a criar e difundir.

E é com base na obra deste grande artista de New Orleans que Leon “Kid Chocolate” Brown e o grupo 504 Experience irão apresentar seus shows ao público brasileiro.

Leon “Kid Chocolate” Brown é uma das estrelas em ascensão da cena musical da cidade considerada o berço do jazz. Trompetista extraordinário, já ganhou 1 Latin Billboard Award e gravou com os aclamados artistas Irvin Mayfield and Jill Scott. Também tocou trompete para o personagem Delmont Lambreaux (Rob Brown), da celebrada série de TV Treme, que se passa em New Orleans (pós-Katrina).

Seus talentos não estão limitados ao trompete, ele ostenta um estilo vocal que adiciona um pouco de magia extra para standards da música norte-americana. Também não se intimida diante da mistura de jazz tradicional, jazz moderno e funk.

Para completar o time, está a banda 504 Experience, liderada pelo baixista Mitch Player cujo lema é: “Levar nossa música, ao redor do mundo para mostrar às pessoas o verdadeiro feeling de New Orleans”.

Uma combinação perfeita para celebrar a música de Louis Armstrong e sua cidade natal!

Ficha téchnica:
Leon “Kid Chocolate” Brown: voz e trompete;
Mitchell Player: baixo;
Leslie Martin: piano;
Todd Duke: guitarra;
Ocie Davis: bateria.




classificação: -

duração: -

Bilheteria

Telefone: (21) 2511.0800
Terças e quartas - 15h às 20h
Quintas e sextas - 15h às 21h
Sábados - 12h às 21h30
Domingos - 12h às 19h
Ingressos também pelo site Ingresso.com ( www.ingresso.com.br )
Capacidade do teatro: 926 lugares
Estacionamento Shopping Leblon: com entrada pela rua ao lado (Rua Professor Antonio Maria Teixeira). O estacionamento funciona de 7h às 24h.

{titulo}

Razões para Ser Bonita

Com direção de João Fonseca, diretor premiado e conhecido por fazer montagens criativas com uma dinâmica cênica ousada e altamente expressiva, ‘Razões para ser bonita’ chega ao Brasil depois de uma trajetória de sucesso na Broadway, com prêmios e indicações dos principais prêmios teatrais americanos (Tony Award para melhor peça, ator e atriz em 2009). Em Londres também foi um grande sucesso de público e crítica. A estreia no Rio foi dia 26 de outubro, no Teatro dos Quatro, onde ficou em cartaz por 5 meses. Depois fez uma temporada de 4 meses no Teatro Frei Caneca e agora segue em turnê por várias capitais brasileiras.

A comédia aborda criticamente a importância das “embalagens” no mundo contemporâneo, fala do excesso de julgamentos que fazemos dos indivíduos à nossa volta e demonstra o quanto o padrão de beleza vigente pode conduzir não só o cotidiano, como também influenciar decisões importantes nas vidas das pessoas.

O texto narra uma história marcante sobre a relação entre quatro amigos que demonstra quanto o padrão de beleza “em voga” pode fazer sofrer e provocar angústias. Steph (Ingrid Guimarães) fica sabendo que seu namorado Greg (Gustavo Machado) comentou com um amigo que acha o rosto dela “apenas comum”. Steph fica transtornada e termina a relação com Greg por não suportar conviver com um homem que não a ache bonita. A partir daí, uma sucessão de discussões e cenas bem humoradas faz com que Greg veja o seu mundo desabar.

Enquanto isso, Leo (Marcelo Faria), o melhor amigo de Greg, se divide entre achar o máximo namorar uma mulher linda, Carla (Aline Fanju), e ter um caso com uma menina mais jovem e ainda mais linda. Carla, que é amiga de Steph, enfrenta as dificuldades de ser uma mulher muito bonita.

Todos na peça, de alguma forma, estão presos ao modelo que valoriza o poder da beleza e da juventude.

A identificação dessa história com o público é imediata, pois retrata a realidade de um mundo onde a aparência física é usada como principal ferramenta para definirmos quem somos e o que pensamos dos outros.

Ficha Técnica:

Texto: Neil LaBute

Direção: João Fonseca

Tradução e Adaptação: Susana Garcia

Elenco: Ingrid Guimarães, Marcelo Faria, Gustavo Machado, e Aline Fanju

Iluminação: Daniela Sanchez

Cenário: Fernando Mello da Costa

Figurinos: Antonio Medeiros

Produção musical: Ricardo Leão

Programação Visual: Rene Machado

Fotos Estúdio: Nana Moraes

Preparação vocal: Rose Goncalves

Designer de lutas: Dani Hu

Apresentado por Ministério da Cultura / Transportadora Oficial Avianca.

 

Datas: 28, 29 e 30/08 ( somente um final de semana).

Horários : sexta e sábado as 21h30; Domingo 20hs

Preço:
Vip: R$100,
Setor 1: R$80
Balcão: R$70




classificação: -

duração: -

Bilheteria

Telefone: (21) 2511.0800
Terças e quartas - 15h às 20h
Quintas e sextas - 15h às 21h
Sábados - 12h às 21h30
Domingos - 12h às 19h
Ingressos também pelo site Ingresso.com ( www.ingresso.com.br )
Capacidade do teatro: 926 lugares
Estacionamento Shopping Leblon: com entrada pela rua ao lado (Rua Professor Antonio Maria Teixeira). O estacionamento funciona de 7h às 24h.

{titulo}

"Uma Noite na Lua", com Gregório Duvivier

O gênero do espetáculo é híbrido. Não se sabe ao certo se é uma comédia com momentos tristes ou um drama cheio de humor. Talvez o termo correto seja "epopéia lírica-sentimental". Mas é um termo pomposo demais. Talvez seja melhor dizer: é como aquelas músicas sobre dor-de-corno. Mas aí é pomposo de menos. É mais fácil falar sobre o que fala a peça. Fala de um homem, em cima de um palco, pensando. Tudo o que ele pensa, ele fala. E a peça é o pensamento dele.

Uma Noite na Lua levou o prêmio Sharp de Melhor Texto e o APCA de Melhor Ator para o Nanini, para quem a peça foi escrita, e com quem ela ficou três anos em cartaz. Sobre a peça, João diz: "É o texto mais auto biográfico que já escrevi. Não em relação à história, mas aos sentimentos. Todos os sentimentos que estão ali eu já senti." A peça fala sobre um autor, sobre criatividade, mas também sobre amor, e sobre solidão. Mesmo quem não escreve se identifica porque ama, ou já amou. E quem não escreve e nem nunca amou ninguém? Aí não se identifica. Mas aí também é um tipo de gente que não nos interessa.

A peça fala da solidão de um autor obsessivo. Abandonado pela mulher amada, ele tem que escrever uma peça que faça ela voltar. Mas a obsessão pela mulher o impede de pensar na peça. Aos poucos vamos vendo que a peça que estamos assistindo é a peça que ele está escrevendo, num jogo infinito de espelhos. Voltando às palavras de João: "A peça fala sobre uma coisa que todo mundo sente. Desejo de ser amado. E até onde isso pode levar."

Para essa montagem, João optou por uma encenação nua, crua e espartana. Não há nada sobre o palco. Nada além do ator. É uma caixa preta. Essa caixa se revela ora casa do ator ora a cabeça do ator ora a lua, onde o autor passa as noites. "Queria uma encenação econômica, diz João, o ator desapoiado de cenários, cadeiras ou praticáveis, sem caminhadas, nada." Durante toda a peça, o ator quase não sai do metro quadrado central. E dentro dele, tudo acontece. Maximizam-se as possibilidades cênicas de um espaço restrito, localizando o ator dentro desse não-lugar que é o lugar do pensamento.

Para contracenar com o ator, foi desenhado um jogo de luz impressionante, criado pelo próprio João: toda a iluminação da peça é feita por moving lights. A mobilidade constante da luz faz com que ela se torne, nessa peça, muito mais que luz. Ela é cenário, trilha sonora e mil personagens. Ela esvazia o palco quando é preciso e o povoa em uma fração de segundo quando é preciso. Merecia um prêmio de melhor atriz coadjuvante, no mínimo.

A trilha, também composta pelo próprio João, foi gravada e arranjada pelos músicos Dani Black e Maycon Ananias. A trilha de Uma Noite na Lua foi gravada em Buenos Aires, quase integralmente gravada com cordas de todos os tipos: violão, violoncelo, violino e contrabaixo.
A peça tem feito uma turnê linda pelo Brasil e arrancado elogios e críticas maravilhosas. Em Agosto de 2012, Gregório fundou com outros atores o Porta dos Fundos, que hoje é o maior canal de humor do Brasil e um dos maiores do mundo.

“Nunca fui tão feliz fazendo uma peça. Amo fazer peças com grandes elencos. O Tablado, escola de teatro que eu frequentei por 10 anos, é famoso por fazer peças com elencos gigantescos. E lá também eu fui muito feliz. No entanto, nada se iguala à alegria de subir no palco sozinho, contar uma história desprovida de pirotecnias e ainda assim fazer rir e emocionar. Isso é um ponto importante para mim: nunca antes tinha feito chorar (ao menos não propositalmente). E fazer chorar é tão lindo quanto fazer rir. Os dois juntos, então, é o que mais me faz rir. E chorar. Toda noite que eu passo na lua eu choro de felicidade e paixão pelo teatro. Obrigado, João!”
Gregório Duvivier

“João Falcão torna a sua “Uma noite na lua” divertida, fascinante, melancólica, um exemplar excepcional da nova dramaturgia brasileira.”

“Uma noite na lua” tem agora uma nova montagem de alta categoria, uma noite de teatro de alta qualidade.”

“Dirigido pelo autor, Gregório Duvivier foi guiado para ter uma atuação precisa, que consegue transmitir o caos interno do protagonista sem exageros, buscando a todo momento a verdade daquela crise...”

Bárbara Heliodora, O Globo, 7 de junho de 2012

Sinopse de ‘Uma Noite na Lua’:

Escritor sem um único título de sua autoria luta para enfim terminar uma peça sobre um homem solitário que processa suas ideias em cima de um palco e vive às turras com a recordação de Berenice, sua ex-mulher.

Ficha Técnica:

Dramaturgia, canção original, iluminação e direção geral: João Falcão
Ator: Gregório Duvivier
Direção Musical: Dani Black e Maycon Ananias
Produção executiva: Barbara Duvivier
Direção de produção: Roberta Brisson

Sexta e Sábado as 21h 
Domingo as 19h 
Preço Único R$ 80,00




classificação: -

duração: -

Bilheteria

Telefone: (21) 2511.0800
Terças e quartas - 15h às 20h
Quintas e sextas - 15h às 21h
Sábados - 12h às 21h30
Domingos - 12h às 19h
Ingressos também pelo site Ingresso.com ( www.ingresso.com.br )
Capacidade do teatro: 926 lugares
Estacionamento Shopping Leblon: com entrada pela rua ao lado (Rua Professor Antonio Maria Teixeira). O estacionamento funciona de 7h às 24h.